Polícia Civil de Alagoas participa da 49ª reunião dos Chefes de Polícia

Delegada-geral Adjunta, Kátia Emanuelly, representou a PC alagoana em evento realizado no estado do Pará

Foto na abertura da 49ª Reunião do Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil.

 

Delegada-geral Adjunta da Polícia Civil de Alagoas, Kátia Emanuelly, na 49ª Reunião do CONCPC.

A delegada-geral Adjunta da Polícia Civil de Alagoas, Kátia Emanuelly, representando o delegado-geral Paulo Cerqueira, participou da 49ª Reunião do Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil (CONCPC). O evento foi realizado nos dias 8 e 9 deste mês, na cidade de Santarém, no estado do Pará.

Na oportunidade, o delegado-geral da Polícia Civil do estado do Pará, Rilmar Firmino de Sousa, apresentou tecnicamente o Sistema de Segurança Pública do Estado, e, em especial, dados da Polícia Civil.

O delegado Emerson Wendt, Chefe da Polícia Civil do estado do Rio Grande do Sul, e vice-presidente do CONCPC, e a delegada Greta Anzanello, diretora da Divisão de Comunicação Social da PC/RS, apresentaram proposta de padronização da identidade visual das Polícias Civis de todo o Brasil.

A proposta foi aprovada por unanimidade, sendo formalizada através da Resolução nº 01/2017 do CONCPC, que prevê como cores oficiais das Polícias Civis: branco, preto e cinza e, ainda, uniformiza as vestimentas e painéis oficiais.

Representantes da Polícia Civil discutem ações em prol da instituição e da Segurança Pública do País.

Na sequência do encontro, os delegados trataram de ações e medidas de fortalecimento institucional para o combate à corrupção e ao crime organizado. Debateram assuntos e operações nacionais e votaram modelos de atuação das Polícias Civis em todos os Estados, inclusive no fortalecimento institucional por meio de ações padronizadas.

No segundo dia de reuniões, o secretário Nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto do Santos Cruz, falou sobre o quadro real da gestão da Secretaria, sobretudo os investimentos previstos, e fez ainda um balanço das atividades. No cargo há sete meses, Santos Cruz mostrou alguns números que têm dificultado as ações da Secretaria, sobretudo a viabilização de medidas que beneficiem as unidades federativas.

Delegada Kátia Emanuelly e o secretário Nacional de Segurança Pública, general Carlos Alberto dos Santos Cruz

“Estamos muito longe da ponta da linha de execução. Parte do atual orçamento foi contingenciada. O governo federal havia contingenciado 58% do orçamento. Agora liberaremos 100% para 2018”, informou o general. “Sabemos que pelo regime federativo temos que ter a contrapartida, seja por meio de recursos, seja por equipamentos”, acrescentou.

Outro tema abordado, por Santos Cruz, foi a melhoria do aparelhamento das zonas de fronteira em todo o Brasil, com a necessidade da atuação de órgãos federais e a utilização de recursos da União para implementação de ações policiais de forma integrada. Ele disse que para o próximo ano R$ 80 milhões estariam destinados às ações integradas nas faixas de fronteira. “Além da liberação de 100%, tive a liberdade de propor projetos para financiar ações das fronteiras e ao banco de DNA, no sentido de beneficiar a identidade criminal”, relatou o secretário Nacional de Segurança Pública.

No final da manhã de quinta-feira (9), o delegado-geral do Pará, Rilmar Firmino de Sousa, e o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará Jeannot Jansen, fizeram a entrega da medalha do mérito Polícia Civil para o Secretário Nacional de Segurança Pública, general Santos Cruz, para a delegada-geral do Estado do Amapá, Maria de Lurdes Sousa, para o delegado-geral da Bahia, Bernardino Brito Filho, para o delegado-geral de Rondônia Eliseu Müller de Siqueira, para o delegado-geral de Santa Catarina, Artur Nitz e para o Chefe de Polícia do Rio Grande do Sul, Emerson Wendt.

Representantes das Polícias Civis dos Estados discutiram diversos assuntos relevantes para a categoria e para a Segurança Pública de forma geral.

Na reunião, os delegados discutiram o processo de aposentadoria da categoria e a Lei nº 13.491/2017, que trata sobre a alteração do Código Penal Militar, assinando a Resolução nº 02/2017 do CONCPC, que recomenda a atuação dos policiais civis nos casos de crimes dolosos contra a vida e os crimes previstos na legislação comum, praticados por militar contra civis.

No final, ficou definido que a próxima reunião ocorrerá no mês de abril de 2018, na cidade de São Paulo (SP).

 

Fonte: 
PC ALAGOAS